sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A CANÇÃO DE AMOR E MORTE DO PORTA ESTANDARTE CRISTÓVÃO RILKE




"Repouso. Ser hóspede um dia. Nem sempre ser o próprio a oferecer a seus anseios mesquinha ração. Nem sempre hostilmente agarrar todas as coisas. Deixar um dia tudo acontecer e saber: o que acontece é bom. Nem sempre ser soldado. Trazer um dia os anéis dos cabelos descobertos e o cabeção largamente aberto e sentar-se em assentos de seda e até a ponta dos dedos assim: ter tomado seu banho. E tornar a aprender o que são as mulheres. E como as brancas fazem, como são as azuis, pra que possuem mãos. E como fazem gorjear seus risos quando louros rapazes trazem as belas salvas pesadas de sumarentos frutos."

Trecho do poema de Rainer Maria Rilke, com tradução: Cecília Meirelles e Paulo Ronai

sábado, 24 de julho de 2010

MEMÓRIA DÓI

Vídeo arte produzida a partir de vídeo encontrado numa fita miniDV, que pensei que fosse material captado por Maria Tereza, mas que, informado por Geuder Martins, eu soube que se tratava de um vídeo produzido por Maíra Lana e Vítor Gomes em Santa Rita. Eis como as coisas se resignificam!

video

domingo, 17 de janeiro de 2010

ILAÇÕES

Vídeo arte de Julliano Mendes produzido com/para Jorge Pessoa, para o espetáculo performático ID.


video